quarta-feira, 27 de maio de 2015

O susto de Cabo Verde #2

(Primeira parte: aqui)

Há momentos que ficam guardados na nossa memória como uma fotografia - completamente estáticos. O momento em que vi, ao longe, um homem a correr na minha direção, foi um desses momentos. Ainda hoje não tenho a certeza se o homem realmente se mexia, ou se se limitou a ficar ali na posição de corrida, a posar para a fotografia, uns bons minutos, até que decidiu aparecer à minha frente, mexendo-se normalmente. O que sei é que tenho essa imagem guardada para sempre: um homem, ao longe, a correr na minha direção, vestido com umas calças desportivas azuis escuras, um polo branco e uns ténis brancos nos pés. Era preto, ombros estreitos, magro e ágil. Num momento estava longe. Reparei nele e pensei que fosse algum empregado do hotel a ir trabalhar. "Coitado, deve ter muito que andar todos os dias. As casas mais próximas ainda são um bocado longe", pensei. Enquanto eu invertia a marcha para regressar ao hotel, já ele estava ali ao meu lado. E então o filme de terror aconteceu.

(Chegados a este ponto, tenho algo muito importante a pedir-vos: se forem sensíveis, não leiam mais. Estou a falar a sério. O que estou prestes a contar vai impressionar e não se lê neste tipo de blog. Não é suposto ler-se em nenhum lado. Se quiserem continuar após estas linhas, avancem por vossa conta e risco, ok? Pois então vamos lá...)

O homem aproximava-se. E aproximava-se. Até que percebi que vinha mesmo na minha direção. "Mas o que é que quer este tipo?", pensei. Algo já não me estava a soar bem. Aquela tensão no ar que antecede os acidentes...
- Fuck?, perguntou-me.
Continuei a caminhar junto ao mar, no sentido do regresso ao hotel, cada vez mais rápido. Ele acompanhou o meu passo, ao meu lado.
- Fuck?, insistiu, desta vez a gesticular com os dois braços estendidos junto ao corpo, para a frente e para trás.
- No! No fuck!, disse-lhe, com o coração já acelerado, e o medo a apoderar-se de mim. Não se via ninguém à volta.
- .. Fuck!...
E foi então que me agarrou. E foi então que me atirou para o chão. E foi então que senti a cara atirada contra a areia, o mar a entrar-me na boca e no nariz, e as mãos geladas dele a agarrarem-me o pescoço com força. Pensei algo como "já fui". As mãos dele eram fortes e a minha garganta arranhava. Não gritei. Ou, pelo menos, a minha memória não tem som. Não esperneei. Quando penso nisso, até me assusto com a calma com que me deixei ficar ali a pensar algo como "já fui". Só que não tinha ido. Nem fui a lado nenhum. Consegui rodar. E, estranhamente, falar. Deu-me para falar. Deu-me para falar muito.
- Está quieto. Não há fuck nada. Eu sou casada, não estou aqui para isso. Mas há muitas mulheres solteiras que querem. Eu é que não posso, ok? Eu não posso.
- Fuck.
- O meu marido mata-te. Não pode ser. Está quieto.
E comecei a tentar agarrar-lhe a mão e a tentar tirá-la do meu pescoço. Na outra mão, tinha o meu telemóvel. Outra das coisas estranhas disto tudo é que nunca perdi a consciência de que tinha o telemóvel na mão e que não o podia molhar. No meio da queda para junto do mar, consegui mantê-lo sempre ao alto, a pensar que não o podia mesmo estragar. A mente humana é muito estranha, não é?
Nisto, pus-me a pé. O homem continuava a tentar agarrar-me e arrancar a parte de baixo do bikini.
- Está quieto. Está quieto. Para! Não pode ser. Procura outra mulher, que eu não posso.
Falei muito. De nada adiantou. Sei que houve pontapés. Sei que me atirou novamente ao chão, de barriga para baixo. Sei que me virei para cima com toda a força que tinha, porque não queria ficar naquela posição tão vulnerável. Sei que me tentou abrir as pernas com as mãos. Sei que nunca na vida fiz tanta força nas coxas. E há outras coisas que sei, porque depois tive as marcas que ficaram no meu corpo para me contar: todas as nódoas negras nos braços, no interior das coxas, nas pernas... Sei que cada vez tinha menos força. Sei que a areia me magoava. Sei que a garganta arranhava cada vez mais. Sei que me beijou a nuca. Ou tentou. Sei que abriu o cinto e já estava a tentar desapertar as calças. Sei que eu já só pensava no pior. Continuei sempre a falar, a falar, a falar. "Não faças isto, olha que há tantas mulheres que querem! E o meu marido vai mesmo matar-te, devias parar agora e ir embora".
- Shhhh!, respondia-me ele. Be calm...

Até que... Lembram-se de ter dito que sabia exatamente as horas que eram, porque tinha o telemóvel na mão? Lembram-se de ter dito que um dos motivos para ter ido andar naquela manhã foi o pensar que assim fazia também algum desporto? Lembram-se de ter dito também que, estranhamente, nunca larguei o telemóvel? Há histórias com hora marcada. A minha história teve hora marcada e aconteceu às 8h15. Mas a minha história também não estava destinada a ser assim. E, de repente, o telemóvel que marcou as horas da minha história, também lhe colocou um fim. Porque há histórias com horas marcadas, mas há histórias que não têm que acontecer. E a minha não tinha que acontecer assim.
Beginning workout, gritou, subitamente, a aplicação Nike+.
O homem saltou. Olhou para o telemóvel, muito atento e com ar assustado.
- Beginning workout.
Arregalou os olhos. E fez-me um ar de súplica e medo: "No police!! No police!!".
Mas o medo é uma semente e já tinha sido plantada e regada na mente daquele homem. E crescia rapidamente. De repente, agarrou-me o telemóvel das mãos, segurou as calças, pôs-se a pé. E desapareceu de vista. Como se nunca ali tivesse estado. Voltei a ver a fotografia que tinha visto antes, mas agora no sentido inverso, com ele em direção às dunas. E eu queria aproveitar aquela sorte e correr em direção ao hotel, pedir auxílio, chamar a polícia, mas não tinha forças nas pernas. Queria gritar por socorro, mas não tinha voz. A garganta arranhava. Tanto... As pernas, os braços, as coxas doíam. E fiquei ali sem forças, a querer chorar e nem a isso conseguir, a arrastar-me lentamente...

(Continua...)

17 comentários:

  1. Ai Pipa que historia horrorosa! Mas ainda bem que no meio de tanto medo e coisa ruim tiveste um rasgo de sorte ou talvez um anjo da guarda que te salvasse.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Anónimo09:26

    E nós pensamos que estas coisas só acontecem aos outros.... :(
    Que horror Pipa!
    Beijinho grd

    ResponderEliminar
  3. Credo linda! Que horror! Pensei mesmo que ias criar suspense para uma historia bonita... Lamento muito, nem quero imaginar-me numa situação dessas, ainda bem que não chegou a acontecer mais nada... Tives-te muita sorte! Tens mesmo um anjinho lá em cima a olhar por ti! Muita força e que venha a parte3 em breve!

    Beijinho grande

    PS:Adoro a tua escrita

    ResponderEliminar
  4. Fiquei com um nó na garganta.... Beijinho querida!!!

    ResponderEliminar
  5. Que horror :( Nem sei o que mais dizer...mas ainda bem que não estava destinado a acontecer!!! Beijinho!

    ResponderEliminar
  6. Joana10:06

    Que história horrível. Nunca pensei que fosse isto que tivesse acontecido. Há mesmo pessoas más no Mundo. Ainda bem que não conseguiu levar a sua avante. Muita força Pippa.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo10:30

    Horrorizada é como me sinto ao ler a sua história.
    Força para o futuro e que realmente nada de negativo tenha ficado na sua mente.
    Beijinhos
    Didi

    ResponderEliminar
  8. Joana10:30

    Só me ocorrem alguns asneiras bastante feias para designar essa coisa que a atacou. Vivi em Cabo Verde, em Santiago, e apesar de saber que não é um país fácil, nunca senti qualquer tipo de ameaça. Mas parece que quanto menos esperamos as coisas podem realmente acontecer. Espero sinceramente que a sua mente consiga esquecer este momento de terror. Lamento imenso que num país que poderia ser um paraíso tão perto de nós, existam estes montros para destruir tudo o que havia de bonito. Muita coragem para si Pippa.

    ResponderEliminar
  9. Anónimo11:06

    mas Pippa!!!!! estou chocada! é como se tivesse acontecido a uma amiga próxima! como já disseram aqui, que horror, que horror, que horror! gabo-lhe a coragem de contar a história. dizem que é bom, que ao pô-la cá fora libertamo-nos dela. são imagens que vais carregar contigo infelizmente. espero que a próxima parte seja feliz. também me senti super segura em CV. e o raio do homem de onde era? deve ser fácil apanhá-lo não? é uma ilha! ele só fala inglês (aparentemente). que triste, que chato, que mau dia! não demores muito com a continuação sim? queremos mesmo ouvir que ficou tudo bem contigo.

    ResponderEliminar
  10. Poxa miúda.. isto contado assim na primeira pessoa é mais real .. poxa :\

    coisasquemepassampelatola.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Estou em choque... Li a primeira parte e fiquei ansiosa a aguardar o restante. Uma semana da minha lua de mel foi passada na ilha do Sal, e quando li a primeira parte da sua história ocorreu-me tudo, menos este horror. Um beijinho grande de solidariedade.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo14:32

    :( :( :(

    Muita força!

    ResponderEliminar
  13. Anónimo14:38

    Quer horror! Fui uma das pessoas que perguntei pela continuação da história... mas nunca imaginei que fosse uma coisa destas! Imagino que seja muito difícil de escrever... Muita força deste lado! E espero sinceramente que tenham apanhado esse monstro!
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo14:56

    É que não há mesmo outra coisa a dizer... Que horror. Nunca esperei que a história fosse esta. Tiveste tanta, tanta sorte! Por favor, não demores muito a contar o resto da história, quero saber que acaba melhor, que a polícia o encontrou, que te sentiste segura (ou o mais possível, depois disto) com a tua família durante o resto das férias.

    Beijinhos, e obrigada pela coragem de partilhares esta história!

    ResponderEliminar
  15. Que história... Abençoado telemóvel que te salvou. É algo que nunca esquecerás mas felizmente o final será sempre melhor do que o começo. E obrigado por partilhares uma história destas.

    beijos

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  16. Já não vinha aqui há muito tempo. Entre uns posts giros e divertidos e outros mais profundos, encontro um que é o relato do pior pesadelo de qualquer mulher... Felizmente não teve um desfecho pior. Ficou o (grande) susto. Que essa seja a pior história da sua vida mesmo, bolas! Tudo a correr bem :) bjs

    ResponderEliminar
  17. Possa que história...parece que terminou da melhor maneira que podia...o telemóvel foi uma boa ajuda! Parabéns pela coragem e força!

    ResponderEliminar