quinta-feira, 27 de abril de 2017

Paixão

Paixão.
Trabalhar com paixão.
Viver com paixão.
Amar com paixão.

Sempre tentei pautar a minha vida pela máxima do "aproveitar enquanto cá estou". Até que o trabalho, a rotina, o facto de ele ter começado a trabalhar fora e o cansaço me engoliram. Até que alguma desilusão pela falta de reconhecimento no trabalho, pela dedicação e pelos sacrifícios me engoliram. Sim, continuei a trabalhar. Continuei a sorrir. Continuei a chegar a casa e a brincar com os bebés. Continuei a marcar coisas ao fim-de-semana. Continuei a fazer desporto. Continuei a tentar olear esta máquina chamada vida e a fazer o que era suposto fazer.

Mas a paixão? A paixão por todas as coisas desvaneceu-se um pouco no ano passado. Talvez tenha sido quando a minha empregada/ babysitter desapareceu do mapa, na altura em que estava de licença em casa, com o bebé e a Constança, e a tentar perceber como é que funcionava a dinâmica de dois bebés ao mesmo tempo mais uma casa para tratar. Talvez tenha sido quando tive que tratar sozinha do batizado, porque ele tinha começado a trabalhar num sítio novo. Talvez tenha sido quando voltei ao trabalho e ele teve que ir para fora, deixando-me sozinha a aprender a dinâmica nova "casa-trabalho-nova empregada-dois bebés em casa". Talvez tenha sido quando voltei ao trabalho e percebi que o trabalho tinha continuado sem mim e que eu não era, afinal, indispensável como achava ser. Fui bem recebida, mas foram pequenas coisas que me fizeram sentir algo "substituível". Talvez tenha sido quando, mês após mês, me cansava, mas continuava a dar tudo, mesmo sem dormir. Talvez tenha sido quando, no final do ano, na altura dos prémios, senti que o meu trabalho e sacrifícios não tinham sido devidamente valorizados. Talvez tenha sido quando senti que ser mulher seria sempre um fator de desvalorização num mundo dominado por homens.

Talvez tenha sido cada desses fatores que me fez perder alguma chama. Há alturas assim, não há? Neste caso, a primeira diferença notória foi ter deixado de escrever. Comecei a sentir-me meia vazia, desinteressante, cansada e cinzenta. Ia escrever o quê? "Olá, estou cansada, porque esta noite o bebé não me deixou dormir e tenho um prazo para hoje." Achei que o blog não devia ser um muro de lamentações. E só me apetecia mesmo lamentar. Não ia dizer "olá, hoje tive uma branca a meio duma reunião e percebi que estou um caco". Não sou pessoa dada a depressões, acho eu, mas andei muito tempo em modo "down", sem perceber para onde estava a caminhar a minha vida e a tentar encontrar conforto nos abraços e carinhos que trocava com os bebés no final do dia ou nas corridas que ia dando.

Os meses foram passando. Ele regressou. Voltei a ter mais ajuda. Voltei a sentir que éramos novamente "nós", "uma família". As coisas foram melhorando. Comecei a fazer mais desporto como terapia. Comecei a sentir o meu antigo "eu" a regressar.

Conclusão? Ter dois filhos pequenos e segurar sozinha o barco, com um emprego com horários malucos é... não há outra palavra... uma merda. Podemos adorar os filhos, podemos adorar o emprego, podemos adorar tudo. Mas acho que, a dada altura, perder a paixão pelas pequenas coisas é inevitável. Acabamos sempre sugados pelas rotinas, fraldas, horários, papas, prazos, stresses.

Não prometo recomeçar a escrever todos os dias. Mas hoje dei por mim a morrer de saudades de escrever aqui. E percebi que esta é, verdadeiramente, uma das paixões que tenho. Isto, este cantinho à beira-blogosfera plantado.

Até já.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

O novo iPhone

Faltam 10 minutos para ser lançado o novo iPhone 7. Se estou ansiosa? Estou, sim, principalmente porque a minha querida filha me partiu o ecrã do telemóvel e preciso urgentemente de um novo.

Mas em dia de lançamento de novo telemóvel dei por mim a percorrer esta galeria e a lembrar-me do meu primeiro telemóvel, que não está aqui: o Nokia 5110.
É incrível como um telemóvel que, à data, nem SMS dava para enviar (a operadora não suportava o serviço), causou tanto impacto na minha vida. Tinha a capa vermelha, que adorava, e só o facto de poder falar com as minhas amigas em qualquer lugar já era motivo para muita excitação.

Sim, não havia selfies, não havia Apps, não havia nada para fazer a não ser telefonemas - sim, espantem-se, crianças, mas só podíamos usar o telemóvel para conversar! - mas fui muito muito feliz a conversar com o meu telemóvel vermelhinho. Saudades desse tempo.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

XX e XX vs XX e XY

Dei um jeito ao pescoço no último treino e andava há dias como se tivesse engolido uma vassoura - muito esticada, sem conseguir mexer o pescoço para um lado nem para o outro.

Como não sabia mais o que fazer, marquei consulta num osteopata e fui lá hoje. Levava uma camisola larga e com decote em forma de barco tanto à frente como atrás, para lhe dar espaço de manobra. Só que, quando lá cheguei, ouvi algo que não estava à espera - "dispa-se, por favor". "Dispo? Mas é só o pescoço que me doi", disse eu, enquanto tentava parecer descontraída e relaxada. Não estava. Era um homem, pouco mais velho que eu, não havia mais ninguém em todo o gabinete, a rececionista tinha ido almoçar e senti-me desconfortável. "Tem que se despir, porque tenho que ver onde está a origem do problema. Até pode estar na anca".

Continuei a sentir-me desconfortável, mas lá o fiz. E ainda bem que fiz, porque saí de lá, uma hora depois, a sentir-me praticamente nova e quase sem dores.

Sei que para os profissionais da área da saúde deve ser indiferente o sexo da pessoa que lhes aparece à frente. Mas não me lixem: é sempre diferente, pelo menos numa primeira consulta, estar à frente de um homem ou de uma mulher, principalmente se for duma idade próxima da nossa. E, ou a pessoa que está à nossa frente é tão profissional e descontraída que, a dada altura, já nem nos lembramos que é um homem - é apenas um ótimo profissional, como era o meu ginecologista - ou, então, o desconforto mantém-se e nada feito. Neste caso, mais vale mudar.

Talvez por isso, há uns tempos, uma pessoa conhecida me disse que tinha tido um treino com um PT e que desistiu logo. Agora só queria ser treinada por mulheres.
- Mas desististe porque era desconfortável?
- Não chegou a ser. Ele era mesmo muito profissional. Mas assim a probabilidade de haver um momento desses, de desconforto, é de 0%. Prefiro evitar problemas. Até porque o meu marido podia um dia não gostar de me ver a trocar mensagens com ele.

Concordam? Também preferem ser seguidos por pessoas do mesmo sexo?

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Terceiro dia de escolinha

E pensava eu que ao segundo dia já não ia custar tanto, nem a ela nem a nós. Pensava eu que, ao terceiro dia, já seria tudo fácil e sereno. Errado. Hoje deixei-a e continuou a chorar tanto que senti que deixei parte do meu coração atrás de mim. Chamava pela ama, chamava por mim, pelo papá, pedia colinho, dizia que não queria "escolinha"... e eu só queria conseguir explicar-lhe que isto é o melhor para ela, que é melhor estar ali com outros meninos que ficar em casa fechada mais um ano, e que me sai caro pagar ama e escola, e que é um sacrifício que fazemos pelo bem dela. Só que o meu lado racional desfaz-se em cacos ao mesmo tempo que o coração se parte e também me dá vontade de chorar, e choro mesmo, e saio dali a pensar "vou mas é acabar com isto e deixá-la ficar em casa mais um ano, coitadinha".

Enfim. Isto é mesmo duro. Custou menos regressar ao trabalho no fim da licença que isto. Porque ao menos nessa altura sabia que ela ficava no ambiente dela e que a podia visitar quando quisesse. Escola? Ninguém me tinha avisado que custava tanto. Às duas. :(

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Primeiro dia de escolinha - A cromice da mãe

Hoje é (ou era?) o primeiro dia de escola da Constança. Esteve até agora em casa, as coisas foram correndo bem, o registo e a dinâmica pareceu ir funcionando para todos os envolvidos, por isso, fomos mantendo na base do "vamos indo e vamos vendo". Eu nunca tive um plano a longo prazo, nunca fui extremista ao ponto de defender só casa ou só escola, sabia que havia vantagens e desvantagens em cada um dos cenários, daí que tinha definido que a iria por na escola quando sentisse que a casa já não a estimulava o suficiente. Esse momento aconteceu depois do bebé nascer. A dada altura percebi que, com o bebé para dar atenção, não conseguia (eu ou a pessoa que estivesse em casa) focar-me no desenvolvimento dela, levá-la a passear, a andar de triciclo ou ao escorrega, não conseguia sentar-me ao lado dela a desenhar (e a limpar depois tudo o que sujava), a ensinar novas músicas ou palavras, ou até a insistir para ela deixar de usar fraldas. Sobrevivia-se, as coisas iam-se fazendo, mas começou a haver demasiado Canal Panda para o meu gosto - "senta-te aí a ver a Patrulha Pata enquanto a mamã vai trocar a fralda ao bebé"; "olha o Panda! não posso brincar contigo, porque tenho que dar o leitinho ao bebé", e por aí fora. Por outro lado, desde que terminou a minha licença comecei a perceber que a Constança andava mais irritadiça, a precisar de atenção, e comecei também a questionar se o bebé teria estímulo suficiente, uma vez que a ama não conseguia ter dois minutos para o por no tapete de atividades (a Constança atirava-se logo para cima dele) ou passear com ele, por exemplo (é difícil para a ama passear sozinha com os dois).

Posto isto, tomei a decisão (um bocado sozinha, porque o pai inicialmente não concordava): estava na hora de ir para a escola. Consegui uma vaga para setembro, na escola que queria, por isso, foi uma questão de ir tentando convencer o pai, nos meses que faltavam. Lá consegui que ele concordasse comigo.

Hoje é (era?) então o dia "D". Já tinha a mala pronta desde ontem, o lanche e a farda da escola preparada para a vestir. Ontem, no entanto, comecei a stressar. Mas a stressar a sério. Não me deu para a choraminguice (estranho!), mas para os nervos. Comecei a questionar tudo. Será que a iriam compreender na escola? Eu percebo o dialeto dela, ela até fala relativamente bem, com alguns verbos e pronomes pelo meio, mas há palavras que ainda não diz direito e que nem todos percebem. Ela fala uma língua própria e às vezes tenho que a traduzir para os outros que não dominam a língua. Quem é que vai saber o que é o "Kuim" (coelhinho) e a importância que tem para ela? Quem vai saber o que é o "tim" (leitinho) e que, se o está a pedir, é sinal que tem sono? Quem vai saber o que é a "chi" (bolachinha) e que ela está com fome? Quem vai perceber, quando estiver triste, que o "cóínho" é ela a pedir colo? E o "Tai" (Panda style), quem é que ia perceber que, quando falar no "Tai", ela quer dançar? E isto ia piorando de minuto para minuto. Depois lembrei-me que eles não iam saber o ponto de desenvolvimento dela. Não sabem que sabe ler os números em português e inglês, e também as cores. Não sabem que sabe as notas musicais e adora cantar enquanto as toco. Não sabem que adora animais, dançar e dar cambalhotas. Não sabem o que a faz rir. Não sabem como reage quando tem sono ou está chateada. E como lhe dar a volta. "Coitada da minha filha, vai ser incompreendida!" Quando dei por mim, estava a escrever um "manual de apoio à Constança". Às duas da manhã. E a enviar por email à educadora. Incluí um dicionário Constança - Português. Incluí os pontos fortes do desenvolvimento e os pontos a desenvolver. Incluí conselhos. Tornei-me uma croma. Tornei-me uma croma. Tornei-me uma croma.

A seguir ao almoço vou deixá-la lá. Se não me der um ataque de choro. Sim, é o primeiro dia de escolinha. E custa muito. Mas acho que custa verdadeiramente é às mães. Os pais vivem isto mais na desportiva. As crianças acabam por adorar (eu sempre adorei a escola, por exemplo, e por norma é um sítio feliz para as crianças). As mães é que são umas cromas, muitas vezes. Pelo menos eu acuso-me!

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Cantar e (des)encantar

Estava ontem a ler a lista dos filmes que vão estrear esta semana (faço sempre exercício por mero masoquismo, pois com duas crianças em casa raramente consigo ir ao cinema!) e deparei-me com este que me chamou a atenção. Além de ter a maravilhosa Meryl Streep e o Hugh Grant, atentem na história:

"Passada na Nova Iorque dos anos 1940, a história verídica da lendária Florence Foster Jenkins, uma socialite e herdeira nova iorquina que perseguiu de forma obsessiva o seu sonho de se tornar uma grande cantora lírica. Se quando cantava, a voz que ouvia na sua cabeça era bonita, para todos os outros tratava-se de uma experiência horrível mas hilariante. O seu "marido" e agente, St. Clair Bayfield, um aristocrático ator inglês, conseguiu sempre proteger a sua amada Florence da cruel verdade, mas quando esta decide dar um concerto público no Carnegie Hall, St. Clair sabe que está prestes a enfrentar o seu maior desafio."

Estava eu muito contente a ler a descrição e a ver depois o trailer, quando tive uma epifania. Uma triste e cruel epifania: estou sempre a cantar e nunca ninguém me disse que canto bem. Recuei no tempo. Revivi momentos. Uns atrás dos outros. Viagens de carro com os meus pais, quando eu ainda era uma adolescente, em que o meu pai, a dada altura, desligava o rádio e dizia "Pronto, agora vamos conversar!". Viagens de horas no carro em família, em que canto e coreografo as músicas que passam na rádio e ele começa a cantar por cima, como quem não quer a coisa. Noites com a Constança ao colo, a cantar músicas de embalar, e em que ela cada vez grita mais e mais alto. Hmmm... Algo me diz que posso ser uma pequena Florence em potência. De qualquer dos modos, adoro cantar. Não tenho a pretensão de dar concertos nem de me tornar uma grande cantora lírica, mas hei-de continuar a cantar (melhor ou pior) e a espantar os males, como diz o ditado. Só espero não espantar quem me rodeia. E só espero que os meus filhos não saiam a mim e herdem a capacidade de canto do pai, que, aqui entre nós, canta realmente bem, afinado e com projeção de voz.

Cantar, ainda que pessimamente, faz bem à alma. Pelo menos à nossa.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Para os dias de calor

O calor chama por fruta fresca, salada, sumos com muito gelo, peixe e comidas mais leves, certo?

Por isso, o ceviche foi uma descoberta recente que combina bem com estes dias de verão.

O que leva o ceviche? Leva peixe cru marinado em "sumo de tigre" (bebida feita com o peixe marinado na lima e com os outros ingredientes e que, no Peru, é usada para curar ressacas!, e supostamente dar força e energia), salsa e coentros. Também leva cebola e piripiri, o que dá um travo picante e que convida a beber muito (controlem a mão ao temperar, se não, passam o almoço a beber água!). Pode acompanhar-se com batata doce e legumes, e também com milho. É fresco, é leve e... ando fã. Já experimentaram? Também gostam? Acho que vão gostar e há muitas receitas na internet para todos os gostos e grau de habilidade na cozinha!
Almoço de domingo, no Panca Cevicheria. A acompanhar, limonada bem fresca. De sobremesa um gelado de doce de leite com chocolate. Sim, porque eu falei em comida leve e fresca, não disse que tinha que ser pouco calórica. ;)

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Casamento à vista

Tenho um casamento depois de amanhã. E o vestido, que já devia ter chegado hoje de manhã (via Asos, outra vez - ando muito previsível), nem vê-lo. Começo a temer o pior.

"Mas não tens outros vestidos que possas levar?", perguntam vocês e bem. Tenho, pois. Mas cheguei à seguinte conclusão: os vestidos elegíveis para casamento (excluindo, desde logo, os pretos e os brancos, que nunca uso em casamentos) que tenho no meu armário, ou são bege ou são rosa claro ou são "nude" ou então são verde água. Ah e são todos bem justinhos. Não tenho vestidos com cores vivas e mais largos. E não me apetece vestir roupa clara. Nem vestidos colados ao corpo. O moreno já saiu há muito, mas a barriguinha pós-parto ainda não, por isso, tenho que me esconder num vestido mais largo e com uma cor que não me faça parecer uma triste anémona pálida e leitosa.

Por isso, as hipóteses para este sábado são as seguintes:
Ou vou assim, caso o vestido chegue a tempo
(sendo que estou a desejar muito que aquela transparência ali na cintura seja tapada pela parte de cima)
Ou algo assim: branca e gorda, vestida de bege.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Meninas que estejam pelo algarve

É fácil criticar a forma como somos atendidos e os serviços que nos prestam. Ainda há dias, num café, resmunguei com o empregado porque pedi uma sandes com queijo de cabra e tomate e veio uma tosta com queijo flamengo. "Não tinha os ingredientes da lista? Tinha que me avisar antes de trazer uma alternativa...". Criticamos serviços todos os dias, porque, infelizmente, é comum sermos mal atendidos e é demasiado normal lidarmos com pessoas sem brio no trabalho. É por isso que tenho a convicção que, quando somos bem atendidos, devemos fazer por elogiar e incentivar o bom trabalho.

Isto tudo para dizer que quando, ontem, olhava para as minhas mãos, três semanas depois de ter colocado verniz gel, e reparei que as unhas ainda estavam perfeitamente intactas, sem uma única lasca de verniz já em falta, pensei "tenho que mandar mensagem à Gi a dar os parabéns". A Gi é uma esteticista brasileira que a minha irmã me deu a conhecer há uns anos, em Albufeira, e que faz depilação, manicura e pedicura e também extensão de pestanas. Experimentei o ano passado as pestanas e adorei. Estava sem vontade de colocar diariamente máscara de pestanas e maquilhar-me, pelo que a extensão me permitiu andar todas as férias de cara lavada sem parecer um zombie desmazelado. As pestanas abriam o olhar e davam um ar arranjado, mesmo quando só tinha colocado o creme hidratante. Demorava literalmente dois minutos de manhã, depois do banho: era só pentear o cabelo, lavar os dentes e colocar o hidratante. Este ano decidi repetir e colocar também verniz gel nas mãos e pés para não ter que me preocupar com as unhas todas as férias. Três semanas depois? Unhas - intactas. Pestanas - continuam aqui, não todas, mas as suficientes para continuar a não me preocupar com a maquilhagem mesmo para ir trabalhar.

Por isso, hoje decidi fazer algum serviço público e partilhar com as meninas que, como eu, passem pelo Algarve e queiram andar com ar cuidado sem terem que perder tempo todos os dias. Perdem apenas uma ou duas horas um dia e depois dura três semanas. Eu nunca sei onde ir fazer este tipo de coisas durante o ano, por isso, tenho mesmo pena que a Gi não viva perto de mim. Seria da forma que teria sempre as mãos e pés arranjados. A verdade é que, antes dela, ainda não tinha encontrado ninguém que pusesse as minhas unhas intactas tanto tempo. Pagava imenso e as unhas só duravam uma semana. Não sei se é a qualidade do verniz que é diferente, se é mesmo o jeito que é outro. O que sei é que na 6a vou remover, com muita pena, este verniz e voltar às minhas unhas ao natural. Até ao próximo verão. Ou até encontrar outra Gi que trabalhe perto de mim.

Quem quiser experimentar, envie-me por favor mensagem privada/ email e eu dou o contacto. Tenho a certeza que ficarão tão fãs como eu.
Aqui estão as unhas com três semanas. Claro que já se nota o crescimento e está a chegar a hora de as tirar,
mas ainda não envergonham ninguém, certo?

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Sentido de desorientação

Eu tento. Juro que tento. Esforço-me por decorar os caminhos. "Direita, esquerda, quiosque na esquina, supermercado, rotunda, direita, ok!". Só que depois parece que alguém pega nas ruas e altera-as, por pura maldade. "Ui! onde está o supermercado? e o quiosque? duas rotundas? mas era só uma! merda, perdi-me!".

Eu tento mesmo a sério. Tento até quase doer a cabeça. Acabo sempre por me perder. É por isto que o Gps foi, para mim, das melhores invenções de todo o sempre. Sem Gps seria daquelas pessoas que passam em Elvas para ir de Setúbal a Sintra, só porque naquela rotunda saíram na primeira em vez de sair na segunda saída e foram por aí fora, felizes da vida.

Já ele, quase de olhos fechados, consegue chegar a todo o lado. É frustrante! Às vezes vou a fazer de co-piloto, enquanto andamos de carro, e temos diálogos surreais:
- Que gira casa! Já viste? Aqui do lado direito. Adoro a varanda.
- Já vi, claro. Estamos fartos de a ver.
- O quê? Nunca passámos aqui!
- Claro que passámos, esta é a rua da pizzaria.
- Que pizzaria?
- A pizzaria perto de nossa casa. A nossa casa é duas ruas a seguir.
- Oh! É nada...
- Pizzaria aí do teu lado. Vês?
- Nem percebi que já estávamos aqui. Vieste por um caminho novo, pensei que estávamos muito mais longe.
- Hmmm... Casa! Chegámos!

Acho que já não há nada a fazer. Da mesma forma que eu decoro as datas e consigo dizer, sem pensar muito tempo, onde estava em junho de 1998 (e ele perde-se completamente no tempo!), não consigo orientar-me no espaço. Nunca faço ideia para que lado é norte ou sudoeste. Se o mar está para a direita ou esquerda. Seria a pior escoteira da história, se alguma vez tivesse experimentado. Devo ter nascido sem esse "chip". Já pensei submeter-me a hipnose e tudo (aproveito e peço para deixar de gostar de todo o tipo de doces e para perder o medo de andar de avião, num três em um da hipnose).

Mais alguém padece deste mal?

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Férias

É engraçado como o conceito "férias" muda ao longo dos anos. Há uns anos, férias exigiam praia, muita praia, sol, programas atrás de programas, amigos e festas. Agora, a qualidade das férias quase que é medida pelo número de páginas de um livro que se consegue ler. Este ano consegui ler quase um livro numa semana (ando a ler o "As intermitências da morte", do Saramago, e a achar brilhante e cheio de sentido de humor, naaaada tétrico, apesar do nome), o que significa que houve realmente tempo para descansar! Aqueles momentos mágicos em que, depois de muita brincadeira a quatro, ambos os filhos adormeciam ou ficavam sossegados? Aconteceram. E deu para dormir bem, namorar, conversar, ler, apanhar sol e estar com amigos. Andámos pelo Buçaco e Luso, Montargil e Algarve. Foi mesmo bom. O ano passado, com a morte da Malti, tivemos umas férias bastante tristonhas. Este ano fomos compensados com uma semana feliz. Acho que merecíamos.


quarta-feira, 20 de julho de 2016

Procura-se

Procura-se homem na casa dos trinta. Magro. Muito magro. Cabelo preto curto e escasso. Estatura média. Costuma rondar carros estacionados em ruas mais desertas, para partir os vidros e subtrair todos os elementos de valor que lá encontrar, especialmente dinheiro, computadores ou telemóveis. Com certeza que usará o dinheiro e os bens para poder comprar droga. Neste momento, deverá estar a usar óculos de sol da marca Céline e uma carteira para moedas em forma de ananás debaixo do braço.

Dá-se recompensa. Pelos óculos e pela carteira, claro. Quanto ao homem, levará um chuto no rabo e um par de estalos. Talvez pela ordem inversa. Sim, pela ordem inversa. Por me ter partido o vidro do carro e por me ter roubado os óculos e a carteira das moedas.

Os óculos são estes. Deve ser fácil detetar o homem, imagino que não seja muito comum ver drogados usar este tipo de óculos:

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Aqui vive uma mãe desesperada

O marido mudou de emprego e tem que andar uns meses a viajar em formação, fora do país. E eu, de repente, tive que me tornar um polvo capaz de estar em todo o lado, resolver tudo e apagar todos os incêndios. O meu dia tem sido um vestir e despir de funções. Nos dias em que o trabalho está pior, chega a ser caótico e desesperante. Tem sido mais ou menos assim:

Às 9h sou uma profissional a tentar ser tão competente e ambiciosa como os demais, a cumprir prazos e a manter um ar sério e trabalhador, do alto da minha roupa impecavelmente lavada e passada a ferro e de saltos altos. Às 13h estou em casa de chinelos, semi despida, de mama de fora a dar de mamar, com a Constança a puxar-me o cabelo e a pedir atenção, a empregada a dizer que é preciso comprar toalhetes e abóbora para a sopa. Às 13h30 estou a dar a sopa à Constança (e ao meu cabelo), a falar da Patrulha Pata e a cantar as músicas infantis que me vou lembrando. Às 14h estou de sabrinas, baba do bebé na roupa e cabelo desalinhado no Pingo Doce a comprar toalhetes, abóbora e um chocolate, porque o dia está a ser complicado e preciso dum doce. Às 14h15 estou a dar instruções para o jantar enquanto volto a por os saltos e tento endireitar a roupa amarrotada, já sem grande solução. Às 15h estou a trabalhar e a tentar tirar disfarçadamente um bocado de sopa do cabelo, enquanto marco uma reunião para o dia seguinte e respondo a emails urgentes. Às 20h30 estou em casa outra vez descabelada e de mamas de fora a dar de mamar, enquanto a Constança espalha aleatoriamente todos os bonecos que encontra pela sala e dá um sermão ao coelho de peluche que, pelos vistos, não para de chorar. Às 21h estou a dar o jantar à Constança e a seguir fazer desenhos. Às 22h estou a dar-lhe banho. Às 22h30 estou a dar banho ao bebé. Às 22h45 estou a deitar a Constança. Às 23h estou com o bebé ao colo, que não para de chorar. Será um dente? Tento conversar com ele e dar-lhe a atenção que não consegui dar durante um dia, para tirar este peso da consciência que carrego frequentemente comigo. Às 23h15 estou outra vez a dar-lhe de mamar. Às 23h40 deito-o. E vou jantar. Janto como um pequeno animal faminto. Porque tenho finalmente o meu momento de descanso. Porque não como nada há horas. Porque sinto que mereço. Às 00h30 estou a ver televisão e a pensar "finalmente vou ver aquele episódio que já estou para ver há dias!". Às 00h33 estou a dormir exausta, toda torta no sofá. Às 03:00 estou a acordar com dores no pescoço e vou para a cama. Às 07h30 acordo. Vou à casa-de-banho. Peso-me. "Que gorda! Hoje tenho que conseguir fazer desporto e comer saladas e fruta. Vou começar hoje  finalmente a minha dieta e a ter a vida organizada, que isto assim não pode ser!!".

Às 9h sou uma profissional... e mais um dia igual continua.

Volta, marido.

Ass: Mãe desesperada

terça-feira, 28 de junho de 2016

Aquilo que ninguém te disse sobre a amamentação

Ninguém te avisou que, quando estás a amamentar, o tamanho da copa varia durante o dia. E vais ter tamanhos para todos os gostos, ao longo de 24 horas.

Problemas? Vários.

Pode acontecer ires trabalhar com um soutien antigo, que está(va) mesmo à medida, mas, a meio do dia, teres mamas, descontroladas, a saltar por todos os lados.

Pode acontecer pegares naquele top que compraste há dois anos, ainda no tempo em que tinhas tantas mamas como o teu pai, e que não era nada decotado, e saíres de casa a sentires-te recatada. Mas, à tarde, pode acontecer o mesmo top recatado tornar-se demasiado decotado para o teu trabalho formal ao ponto de teres que te encher de casacos em pleno verão para evitar olhares libidinosos. Sim, tu. Tu que achavas que isso seria impossível acontecer sem uma faca e uma anestesia geral previamente envolvidas.

E isto até pode parecer muito bonito, como um milagroso silicone dos pobres, certo? Pois... Mas a verdade é outra! É que ninguém te avisou que, se não fores a correr alimentar a tua cria, qual Cinderela-do-leite, as pobres coitadas vão continuar a crescer sem parar até te doerem e te causarem calor, de forma insuportável.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Sou mãe dum Fernando Mendes em potência

O meu filho bebé mais querido alimenta-se única e exclusivamente do leitinho da sua adorada mãe-leiteira. Bebe o leitinho da sua mãe como bebia a sua irmã. A fórmula é a mesma: bebe de 3 em 3 horas, mais coisa menos coisa, e até já aguenta a noite inteira a dormir, ou seja, cerca de 7 horas. Isto, partindo do princípio que não escapa a meio da noite para atacar o frigorífico à socapa e partindo do princípio que ninguém lhe anda a dar papas Cerelac às escondidas.

No entanto... O meu filho bebé mais querido... está gordo. E digo "gordo", sem rodeios, porque não está cheiinho, não está fofinho, não está queridinho. Não: está gordo mesmo. Tem duplo queixo, umas bochechas enormes, pregas nos braços e nas pernas, e uma barriga de fazer inveja a qualquer concorrente do Biggest Loser. Eu estava em negação até ontem. Tirava-lhe fotografias de cima, para minimizar o duplo queixo. Concentrava-me apenas no sorriso lindo e doce que tem quando olhava para ele. Colocava as roupas de lado, quando não serviam mais, dizendo a mim mesma: "está grande". Sorria, quando pegava nele, pesado como chumbo, e repetia "é duro, até parece musculado".

Ontem, no entanto, vesti-o com um body branco de golas, em tecido fininho, e uns calções azuis, encostei-o a uma almofada, sorridente, e babei-me a olhar para ele, mais uma vez. Até que o pai se vira para ele, depois para mim, e diz, às gargalhadas:
- Ahaha, parece o Fernando Mendes!

Saí da minha bolha de negação. Se o próprio pai já lhe chama Fernando Mendes já não dá para negar mais.

Agora digam-me, por favor, mães fit e com bebés fit: como é que se emagrece um bebé que só bebe leite materno?