terça-feira, 19 de agosto de 2014

A ama

Depois de muitas conversas, depois de pesarmos todos os prós e contras das opções existentes (creche, ir para uma ama ou ir uma ama lá para casa), chegámos a uma decisão: a bebé ficaria com uma ama em casa, quando a minha licença de maternidade terminasse, caso conseguíssemos encontrar alguém que reunisse determinados requisitos e em quem confiássemos. Assim, tal como escrevi no Facebook do blog, a semana passada andámos em entrevistas para escolher "a tal". Sabíamos exatamente o que queríamos, por isso, era uma questão de sorte até a encontrarmos. Pusemo-nos em campo, procurámos, reunimos alguns nomes e marcámos algumas entrevistas/ conversas. No final, acredito que encontrámos exatamente a pessoa que queríamos. Mas o estar pela primeira vez do lado do entrevistador foi, só por si, uma experiência para mais tarde recordar. Desde a candidata que trazia todo o papel estudado e estava disposta a brilhar - fez tudo tal como mandam os livros - até à candidata que se esqueceu nitidamente de ler as regras de "dress code" para uma entrevista, foi engraçado estar deste lado e decidir que perguntas fazer, analisar a forma como as pessoas respondem, a forma tímida ou confiante com que se apresentam e como se "vendem". Sim, porque um entrevistado está, no fundo, a vender uma marca, está a convencer-nos que é essa a marca que queremos e de que precisamos. A candidata com a lição estudada, que quis pegar logo na bebé, que descreveu logo o estágio no infantário, o curso na área que tirou, que tentou logo demonstrar as técnicas de massagens para bebés...? Foi a escolhida. Agora é ver como corre. Estou um pouco nervosa, sinto que vou perder um pouco da minha filha para uma estranha. Mas acredito que é a melhor solução. Acredito que estará bem entregue. Pelo menos convenceram-me plenamente, durante os 30 minutos de entrevista, que sim.

12 comentários:

  1. Oh não sabia q tinhas uma bebé! Parabéns :) provavelmente, fizeste a escolha acertada e é sempre bom a criança ficar na tua casa. Espero q corra tudo bem nessa nova fase.

    ResponderEliminar
  2. E compensa monetariamente? A minha mãe já foi ama e sei que não é de todo má opção, para as crianças.
    Quanto ao other side das entrevistas...também se aprende assim :D

    ResponderEliminar
  3. Anónimo21:59

    Eu preferi o infantário, pelo menos assim sabia o que se passava, tinha o feedback de várias educadoras.
    Com uma ama nunca se sabe o que se passa, não há forma de controlar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23:39

      Isso é relativo, quando eu era bebé ficava com uma ama (também em casa) e uma vizinha disse à minha mãe que me ouvia a chorar o tempo todo. A minha mãe estranhou, porque eu nunca me tinha recusado a ir para o colo da senhora nem mostrava receio de ficar sozinha com ela, mas mesmo assim um dia saiu de casa como se nada fosse, esperou uns vinte minutos e voltou a entrar em casa, dizendo que se tinha esquecido de algo. A senhora estava a limpar e a conversar comigo enquanto o fazia. A minha mãe voltou a sair e fez isso mais algumas vezes ao longo da manhã, e depois confrontou a senhora. De repente, repararam que havia, realmente, um bebé a chorar: o filho da vizinha, que ficava com a empregada e ela o fechava no quarto sem a mãe saber!
      Quem quiser descobre sempre o que se passa em casa, então quando os miúdos são mais velhos (digo meio ano ou um ano) já se nota, porque se virem a pessoa que os maltrata não vão querer sair do colo dos pais ou que estes saiam de casa.

      Eliminar
    2. Anónimo02:45

      Não há nada melhor do que uma câmera escondida!
      Como nos filmes : )

      Eliminar
  4. Optei por deixar Baby Caco numa ama e não estou nada arrependida. Eles adoram-se! Fomos de férias 15 dias e ela morreu de saudades. É como se ele fosse da sua família.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo02:47

    Grande coragem! Eu jamais conseguiria deixar um filho meu a uma pessoa desconhecida. Teria que ter mais referências. Espero que corra tudo bem : )

    ResponderEliminar
  6. Eu vou trabalhar quando a Pimentinha tiver 2 meses e pouco. Não tenho muitas hipóteses a não ser que ela fique com a avó paterna. Sinto que vai ser muito complicado mas a vida é mesmo assim.

    ResponderEliminar
  7. Arranja uma camara pequena e coloca-a num sitio estrategico. Pelo menos assim podes descobrir se se passa algo que não deveria passar.

    ResponderEliminar
  8. Dentro de alguns meses também tenho que optar por creche ou ama mas não sei... Estou muito indecisa... Quero estar sempre a controlar tudo e fico nervosa quando não consigo. Isso de passar para o lado da entrevistadora também tem o que se lhe diga... Espero que corra tudo bem e que tenhas feito a escolha acertada. Vai dando noticias, por favor.

    ResponderEliminar
  9. Eu também optei pela ama, já vai para 10 anos (ainda está connosco) e resultou muito bem.... a minha escolha da candidata foi muito pela minha intuição e correu bem!.

    ResponderEliminar
  10. Quem tem a sorte de encontrar uma ama que é de confiança sem dúvida que é abençoado, pois tem ali uma pessoa dedicada inteiramente à criança. Pessoalmente não sei se conseguiria deixar um filho com uma pessoa que não conheço... Teria que ser alguém indicada por uma pessoa que eu conhecesse e sem dúvida que colocaria umas câmaras nuns sítios estratégicos para controlar o que se passava.

    ResponderEliminar