quarta-feira, 10 de abril de 2013

Este post tem efeitos secundários

Tinha lido um pouco sobre o Side Effects ou "Efeitos Secundários". Sabia que era do Steven Soderbergh (que fez alguns filmes conhecidos, como o "Sexo, Mentiras e Vídeo", o "Erin Brockovich", "Solaris", os três "Ocean", o "Traffic", o "Bom alemão", o "Che", "Contágio" ou, mais recentemente, o bom-para-os-olhos "Magic Mike"), nome que, só por si, já achava apelativo. Sabia que entrava a recente-surpresa Rooney Mara (brilhante no "The Girl with the Dragon Tattoo). Sabia também que entrava a aposta-sempre-ganha Jude Law e a minha embirração-pessoal Catherine Zeta Jones. 3-1. Ganhou o "sim". Decidi ver.

A história parece, inicialmente, simples e linear. Parece dramática e realista. E, acima de tudo, casual. É por acaso que  a personagem de Rooney Mara visita aquele psiquiatra, interpretado pelo Jude Law. Está deprimida e nada a parece salvar dessa depressão, desse "poisonous fog bank, rolling in on [her] mind". É por acaso que este lhe receita aqueles anti-depressivos específicos. É por acaso que ela vai acusar tantos efeitos secundários. É por acaso que Jude Law se cruza com a antiga psiquiatra da sua nova paciente. E é por acaso que decide alterar a prescrição. É também por acaso que a paciente não consegue sair da depressão em que se encontra. Ou que os dramas sucedem.

Mas será afinal tudo casual? Este é um thriller mais denso do que aquilo que parece à partida. E agarrou-me do início ao fim. Fez-me querer ver novamente e reparar em todos os pormenores. Todas as pistas. Os olhares. Os gestos. É que tudo indicia o final que a história toma. E tudo pode passar, no entanto, tão despercebido... Aquele primeiro encontro entre paciente e psiquiatra parecia tão simples e linear. Tão dramático e realista. Tão casual... Mas, afinal, tudo pode ser diferente do que parecia. Vejam. Confiem em mim. Vejam. E digam se não é uma história muito muito bem contada.

Ah, aos homens que não estejam convencidos com esta prosa, posso sempre dizer que há um beijo entre duas mulheres.

4 comentários:

  1. Tenho de ver, parece bom.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo10:58

    Já vi! Também adorei :)

    ResponderEliminar
  3. Também vi. Uma história brutal sobre manipulação.

    ResponderEliminar