quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Olha-me nos olhos.

Durante as férias, houve um jantar com um casal amigo que me marcou particularmente por três grandes motivos (não necessariamente por esta ordem de importância): descobri que o amor era também saber ler no olhar um do outro, aprendi a olhar sempre para o chão e percebi que sou um bebé a comer comer comida muito picante. Fomos jantar a um restaurante mexicano (típica comida do Algarve, não é?) e, a dada altura, assisto a este seguinte diálogo entre eles:
- Oh não!
- ...
- É o que eu estou a pensar?
- O que é que estás a pensar?
- Já percebi tudo a olhar para os teus olhos.
- Percebeste o quê?
- Percebi tudo. Fizeste "o" olhar.
- Que olhar?
- "O" olhar.
- Oh...
- Não disfarces. Onde é que elas estão?
(Eu estava atordoada com aquela troca de palavras. Decidi interromper) - Desculpem lá, mas... Quem são elas?
- Ele viu baratas aqui no restaurante. E está a tentar disfarçar.
Fiquei sem reacção. Eles tinham "o" olhar das baratas? Quantos olhares teriam, se chegavam ao ponto de ter "o" olhar das baratas?
- Viste mesmo baratas?
- Vi... Tentei disfarçar, mas parece que não consegui.
- Sabes que já te conheço.
Eu nem queria saber das baratas. Queria saber dos olhares. Naquele momento, podia ser atacada por um exército de baratas que nada me faria sair dali a não a resposta à minha pergunta: quantos olhares havia? Perguntei-lhes, preocupada. Desataram a rir.
- Não são muitos, não te assustes.
- Simplesmente, ela tem fobia a baratas.
- E na nossa lua-de-mel apanhámos alguns restaurantes com baratas!
- Por isso, quando ela me vê a olhar à volta, para o chão do restaurante, já sabe aquilo que procuro.
- Ah... Por momentos, pensei que lessem a mente um do outro, ou qualquer coisa do estilo.
- Ahaha ainda não.
Passado uns minutos, algo voltou, no entanto, a acontecer entre eles. Olharam-se. Sorriram. Ficaram naquilo uns segundos, a fitar-se. A sorrir. E beijaram-se, assim do nada. Eles podem tentar negá-lo a vida toda, que já não adianta. Aqueles dois falam entre si com o olhar. E a verdade? É lindo de assistir. E sonho com o dia em que consiga fazer o mesmo...

5 comentários:

  1. Observador Atento17:10

    Não sei como,mas infelizmente a minha esposa sabe sempre quando estou a pensar asneiras.
    Antes não conseguisse ler os meus pensamentos ;(

    ResponderEliminar
  2. Eu e o senhor meu moço muitas vezes nem trocamos palavras, basta um olhar para percebermos o que o outro está a pensar. Isto dá imenso jeito, principalmente quando estamos com pessoas com quem não temos muito à vontade! Eu por exemplo, sei sempre quando me está a mentir, porque abre muito as narinas, ou quando está desconfortável e quer ir embora porque começa a baixar a cabeça para o lado esquerdo. São muitos anos a olhar um para o outro e eu sou extremamente observadora, facilmente tiro os tiques e decifro expressões :D

    ResponderEliminar
  3. Eu faço isso com os meus gatos. Também conta? E eles também conseguem fazer comigo :P

    ResponderEliminar
  4. Eles estão in love ;) ou isso ou são filhos do mestre Bambo :p

    ResponderEliminar
  5. Vi consiglio di leggere la mia lezione di scrittura creativa "COMO ESCREVER POESIA ERÓTICA".
    Saluti,
    Architteto Dolce Filiberto di Savoya, PhD

    ResponderEliminar