quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Nunca mais lanço pragas

Corria o ano de dois mil e qualquer coisa.
Aqui a moura não tinha férias em Agosto, porque tinha começado a trabalhar há pouco tempo. Andava feliz com o meu trabalho, mas desolada a observar os raios de Sol a atravessarem as minhas masmorras profissionais e a gozarem com o meu computador. Foi um período conturbado: evitava olhar as pessoas bronzeadas de frente, desviava o olhar de vestidos curtos, havaianas e ganhei uma aversão a toalhas de praia. Não ganhei um torcicolo por puro golpe de sorte.
Esse foi também um período de ginástica com o tempo: tentava alongar os fins-de-semana ao máximo e encurtar os dias de semana. Ao sábado de manhã ia a correr para a praia praticamente antes do sol nascer ("já há luz, vês? já há luz!") e só me arrancavam novamente da praia no domingo por volta da meia-noite, para evitar que eu fosse arrastada pelos lixeiros, que limpavam o areal.
Foi neste cenário idílico que a bomba caiu:
- Vou para o Algarve quinze dias, ok? Sabes que tenho lá casa, é de aproveitar...
- Desculpa, falaste comigo? Só ouvi a parte da casa. De resto não ouvi nada. muaah muaah muaah (beijos)
- Páraa... Ouviste muito bem...
- Não ouvi nada. Não disseste nada. Não quero ouvir.
- Vou para o Algarve... Podias pedir uns dias e passar lá um fim-de-semana prolongado... Mas agora repete lá esses beijos...?
Eu fingi que não ouvi. Andei dias assim. Em pura negação.
Até que chegou o dia. E lá o vi partir. "Naquela estrada", como diz a música.
Nesse momento, reparei que o meu subconsciente mandou uma praga qualquer. Tentei impedi-lo, mas não consegui evitar. Eu sou boa pessoa, mas o meu subconsciente às vezes prega-me partidas. Já estava a praga lançada. O telemóvel tocou umas horas depois.
- Tive um acidente.
- Oh...
- Não foi grave. Está tudo bem.
- F%#$&$#. (o meu subconsciente a pensar, porque eu não digo palavrões). Foi da praga que lancei por teres ido para aí!
- Oh.
- A sério! Desculpa!!!
Nunca mais lanço pragas. Nem deliberadas, nem inconscientes. Acreditem.

8 comentários:

  1. bom eu já tive vários episódios desses na minha curta vida, mas em forma diferente, sonhar ou imaginar que certa coisa acontece e passados uns dias ou tempos acontece.. pragas :S

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando são coisas boas, tudo bem. Mas no meu caso, apesar de saber que a culpa não foi minha, fiquei a sentir-me meia culpada... :/

      Eliminar
  2. Já pensaste testar esse poder todo com desejos? :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já! Mas só resulta às vezes :P

      Eliminar
  3. Deves ter-te sentido mesmo mal :P pobre do rapaz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Senti... Coitado, estragou-lhe as férias todas!

      Eliminar
  4. LOL! tb já passei por esse desespero por férias, god.... mas o menino não se magoou pois não? isso foi uma mini micro praga, aproveita essa energia para desejar cenas, tipo o euro milhões :p

    http://coisasquetaiseafins.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se magoou, mas foi um acidente ainda grande e estragou-lhe as férias. O euromilhões tem muita gente a desejá-lo. É difícil. Vou concentrar-me nas raspadinhas :)

      Eliminar