quinta-feira, 2 de maio de 2013

Uma questão de tamanho

Hoje foi dia de avaliação no ginásio. À hora de almoço, lá estava eu voluntariamente a ser pesada, medida, analisada, e até espremida com um aparelho com ares de tortura medieval - supostamente mede a gordura ou algo que se pareça. Como já partilhei na página do Facebook, os valores estão todos um pouco acima do ideal para mim. Tenho que perder massa gorda e uns 4 quilos, para ficar mais perto do que é considerado correcto para a minha altura. Sinceramente até pensei que ia estar pior, porque ultimamente andava tão esfomeada que parecia diariamente um urso a sair da hibernação. O problema é que até os ursos se saciam no final de meia dúzia de dias. Eu todos os dias estava igual. Andava mesmo a comer de forma desalmada.

Por isso, o professor do ginásio lá estava muito compenetrado a medir-me com a fita métrica e eu ia sorrindo ao ver os valores, pois pensava que iam estar ainda pior. Nisto, o professor insiste na questão da minha altura. Lá lhe disse outra vez.
- Sabe, perguntei outra vez, porque estava a reparar e somos da mesma altura. Deve ter mais uns dois cêntimetros do que aquilo que me disse, respondeu-me o professor. Eles roubam-nos sempre, quando vamos fazer o BI!
E respondeu-me a olhar para mim de baixo para cima. Sim, porque era mais baixo. Uns bons centímetros.

A partir daí, dei por mim a sentir-me disforme ao pé dele. E a falar com o peso todo apenas concentrado numa perna. A encolher-me para ficar mais baixa. A contorcer-me para o lado. Não sou alta. Sou considerada média. Mas detesto estar ao pé de homens mais baixos que eu, porque sinto que o mal está em mim. Faz sentido? Começo a sentir-me larga e demasiado grande. Disforme. Hoje aconteceu isso. Mais que pensar "esquece, sou mais alta que tu um bom pedaço", apetecia-me pedir desculpa. "Sim, eles roubam-nos quando fazemos o BI! Tu és altíssimo, esquece a altura que te deram!! E sim, és da minha altura ou mais alto até" apetecia-me dizer-lhe. E dei por mim a lembrar-me do meu primeiro namorado. Sempre que punha uns saltos, acontecia-me o mesmo: o contorcionismo para, ao pé dele, parecermos da mesma altura. Não tem mal nenhum a mulher ser mais alta que o homem, obviamente, mas não vos acontece isto? Não se sentem mal ao pé de homens mais baixos? É que como se, subitamente, todo o machismo de séculos e séculos se apoderasse de nós.

12 comentários:

  1. Eu bem me posso contorcer à vontade que não adianta, são sempre todos mais baixos... Estás aí a contar a triste história da minha existência. Chuif...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Arranjas um Sueco todo giro e acabou-se o problema. :) Em Portugal é que somos pequeninos, não é??

      Eliminar
    2. Estamos maiores, tenho notado!!!

      Arranjei um só com menos 1 cm e já foi uma sorte! :)

      Eliminar
  2. Credo! Eu tenho 1,75 cm e sou do mesmo tamanho do meu homem e adoro ter saltos altos (que fico com uns meros 1,87 cm) e ficar maior que tudo e todos! Eu não sou grande os outros à minha volta é que são pequenos.

    Se olhares para as capas das revistas a maioria das modelos que lá está medem mais de 1,80cm e no entanto são consideradas coisa gira e linda de se ver. Passei a minha infancia toda a ouvir que devia ir para modelo e sempre com criticas positivas por ser alta.

    Acho que no teu caso deve estar alguma coisa escondida, possivelmente no teu infra-ego ser alta é ser monstra. Tens de ver as coisas pelo lado positivo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sara, estive aqui a procurar no meu infra-ego e não encontrei nenhuma associação entre monstros e pessoas altas. Encontrei apenas um desejo escondido de eu própria ser mais ALTA! Isso, sim. ;)

      O post foi um desabafo muito pessoal e não um tratado sobre alturas. A minha mãe é pequenina, mas também tenho amigas altíssimas e uma coisa é certa: gosto das pessoas pelas características pessoais, apenas, nunca pelos centímetros que medem.

      Eliminar
  3. Não sou alto nem baixo, mas por causa desse complexo é que nunca uso saltos altos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por me fazeres rir. :p

      Eliminar
    2. LOOL nem outra coisa seria de esperar do Eduardo...

      Eliminar
  4. Já sigo o teu blog há algum tempo, mas desta vez tive mesmo que comentar. Desde os 13 anos que meço 1,82 cm. Acontece que tinha um namorado que era mais alto que eu, até eu crescer!
    Acredita que não há maior frustração ou sensação estranha quando dia após dia ele te vê a ficar maior que ele. Passei a ouvir todos os dias que os rapazes cresciam mais tarde do que as raparigas e que com ele ia acontecer o mesmo (o que até é verdade mas não foi o caso). Acabei por ficar uns bons 10 cm mais alta e na altura evitava usar saltos.
    É de facto uma situação estranha mas quando existe realmente amor supera-se :) escusado será dizer que passado uns tempos acabámos, coisas de 13 anos.

    Continuação de bons posts*
    Chuack

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que se supera! Eu digo que é estranho, mas se gostasse dum rapaz mais baixo que eu, esquecia esse pormenor e avançava na mesma. Com o meu primeiro namorado as coisas também só não continuaram, porque éramos crianças. Nunca se iria resumir tudo a uma questão de altura, apenas. ;)

      Eliminar
  5. A mim incomoda-me, apenas porque acredito que eles se sentem complexados com esse facto. Gosto de ficar mais alta de saltos, mas não mais alta que o N. Gosto de olhar para ele de cima para baixo, aconchega-me.

    ResponderEliminar
  6. Eu sinto-me um pouco como tu, mas nada de muito grave =)

    ResponderEliminar